Dor no calcanhar: queixa comum que merece atenção redobrada

Atualizado: 22 de Mar de 2019




Dificuldades em ficar de pé causada por dor forte e pontuda no calcanhar pode ser sintoma de uma síndrome dolorosa comum que chega a quase 20% das queixas em clínicas especializadas. Trata-se da Fascite Plantar, um processo inflamatório ou degenerativo que deve ser tratado com atenção. “Temos muitos pacientes em tratamento por causa de Fascite Plantar. É uma dor da base do pé, causada por uma inflamação, que pode ser ou não sistêmica, e se converter em algo incapacitante para aqueles que sofrem com este mal”, explica a médica anestesiologista especialista em tratamento da dor crônica da clínica Libertà Saúde, Dra. Rebeca Vasconcelos.


A médica explica que este tipo de inflamação é mais comum em mulheres e pessoas obesas. "No caso dos pacientes obesos tem o fator de predisposição maior pela sobrecarga que eles somam nos pés, mas também pela própria inflamação causada pela obsidade que afeta todo o corpo", disse. Pessoas que andam descalças por um tempo prolongado, usam chinelos inapropriados ou que fazem atividades físicas de alto impacto sobre os pés e pernas também estão mais propensas a adquirirem fascite plantar.


Existem várias formas de tratamento. Medicações, compressas locais e fisioterapias são as mais comuns. Porém, uma das mais modernas e com eficácia comprovada é o tratamento por ondas de choque conhecido como ESWT ou TOC.

“Nós fazemos este tratamento aqui na clínica e ele tem algumas vantagens como o fato de dispensar uso de agulhas ou anestesia, bem como procedimentos cirúrgicos ou medicações. Não é um tratamento invasivo e consegue promover alívio prolongado da dor, por pelo menos seis ou dois meses”, explicou dra. Rebeca. Esse tipo de tratamento deve ser orientado por um ortopedista.

Formas de prevenção

- Evitar ganhos de peso alto e rápido

- Alongar músculos e ligamentos de maneira adequada antes de exercícios físicos

- Usar calçados com amortecimento adequado, especialmente se for para atividades como caminhadas e corridas

- Evitar uso muito frequente de saltos altos e revezar os sapatos sempre que puder

- Evitar andar descalço por longo períodos em superfícies rígidas

- Evitar sapatos de sola muito fina ou reta


Responsável técnica: Dra. Rebeca G. de Lacerda Vasconcelos CRM 18290 DF