Dor lombar: um mal dos tempos atuais

As dores lombares afetam boa parte da população mundial, sendo a maior causa de incapacidade ao redor do globo. Mas adotar mudanças posturais no dia-a-dia pode resolver boa parte dos problemas, e muitas opções de tratamento também estão à disposição dos pacientes.

Estudos e pesquisas não faltam para comprovar a elevada incidência da lombalgia na população ao redor do mundo, bem como seus danos. A lombalgia acontece quando uma pessoa tem dor na região lombar, aquela localizada na parte mais baixa da coluna, e segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) oito a cada 10 pessoas irão sofrer do problema pelo menos uma vez na vida. A OMS afirma ainda que esta é a principal causa de incapacidade globalmente.


No Brasil, dados do Instituto Nacional da Seguridade Social (INSS) apontam que, por ano, aproximadamente 100 mil pessoas se afastam do trabalho por motivos de saúde e a lombalgia é a maior causa desses afastamentos. Dessa forma, vai causando prejuízos às empresas, para o governo e, é claro, para os que sofrem com as dores.

A lombalgia em si não é uma doença, é um tipo de dor que pode ter diferentes causas, desde as mais simples até as complexas. Ela é dividida em dois tipos: aguda e crônica. A lombalgia na forma aguda é aquela dor forte que aparece subitamente depois de um esforço. É o famoso “mau jeito”. Já na forma crônica a dor não é tão intensa, porém ela é quase permanente e geralmente acomete os mais velhos.


Causas

A má postura no dia-a-dia, seja para sentar, deitar, abaixar ou carregar peso é um dos grandes desencadeadores da dor na região lombar. Isso acontece porque a postura viciosa sobrecarrega as estruturas ósseas, musculares, tendinosas e vasculares, desgastando o organismo de forma permanente e afetando, sobretudo, a coluna vertebral.


O problema também é bastante comum na terceira idade, devido ao uso e desgaste durante os anos. Ao envelhecer ocorrem alterações degenerativas em todas as partes da coluna, que tende a ficar mais rígida causando uma redução da amplitude dos movimentos.


De acordo com a Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED), a lombalgia ainda pode ser causada por inflamação, infecção, hérnia de disco, escorregamento de vértebra, artrose (processo degenerativo de uma articulação) e até problemas emocionais.


Cuidados

A região lombar sustenta e transmite força aos membros inferiores e ao tronco, promovendo movimentos essenciais de flexão, extensão e rotação. Por isso a lombalgia é tão limitante, afetando os movimentos básicos do cotidiano de qualquer indivíduo, e deve receber atenção e cuidados especiais.


Para o pesquisador da Universidade do Sudeste da Dinamarca, Jan Hartvigsen, a lombalgia deveria ser tratada na atenção primária. “A primeira linha de tratamento deveria ser educação e aconselhamento para o indivíduo se manter ativo”, afirma em uma série de artigos sobre o tema publicados na revista The Lancet.

A prevenção também se torna fundamental quando o assunto é lombalgia. Como muitos dos casos de lombalgia estão relacionados aos maus hábitos que vamos levando no decorrer da vida, adotar posturas corporais harmônicas e saudáveis pode evitar muitos problemas.


Por isso, a Sociedade Brasileira para Estudo da Dor dá algumas dicas importantes:

- Correção postural, principalmente na maneira de se sentar no trabalho ou na escola;

- Quando fizer exercício com pesos na ginástica, proteja a coluna deitando ou sentando com apoio nas costas;

- Não permaneça curvado por muito tempo;

- Ao se abaixar no chão, dobre os joelhos e não a coluna;

- Evite usar colchão mole demais ou excessivamente duro.


A dor chegou! E agora?

A lombalgia é uma dor que tende a ser negligenciada, já que muitas pessoas convivem com dores na região lombar e consideram isso natural. Mas não deve ser assim! A lombalgia requer tratamento orientado por profissionais especializados, para que o problema não se torne crônico. Além disso, deve-se buscar as causas da dor e tratar a raiz do problema, evitando sua recorrência.

Na crise aguda de lombalgia, o exercício é contraindicado. A orientação é fazer repouso absoluto, deitado na cama. Também não estão indicados manipulações no local. Já a intervenção medicamentosa, sempre com prescrição médica, pode ser usada para diminuir a dor e melhorar a habilidade funcional do indivíduo.

Passada a crise aguda, uma variedade de técnicas pode ser utilizada para o tratamento da dor lombar. Entre elas estão o alongamento, fisioterapia, osteopatia, massagem terapêutica e RPG. A acupuntura também é uma grande aliada no tratamento da lombalgia. Contudo, é sempre importante destacar que o tratamento deve ser prescrito por um médico especializado, que analisará cada caso individualmente e determinará o caminho mais eficaz para o alívio e a cura das dores.

Responsável técnica: Dra. Rebeca G. de Lacerda Vasconcelos CRM 18290 DF