O cardápio certo contra as dores de cabeça

Cada alimento carrega consigo substâncias e nutrientes que exercem grande influência no organismo humano. De uma forma natural e consciente, por meio da alimentação, é possível evitar doenças e dores que afetam a rotina das pessoas, como as cefaléias.

#cefaleia #enxaqueca #alimentoscontraenxaqueca #combateaenxaqueca


"Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio". Tal frase foi dita há mais de 2 mil anos por Hipócrates, um dos pais da medicina moderna, e dá luz à importância dos alimentos na saúde humana. Assim, alimentar-se é muito mais do que simplesmente abastecer-se ou nutrir-se. O que se ingere tem influência em todo o sistema e metabolismo corporal, sendo os alimentos capazes de promover, curar ou evitar doenças e dores, entre elas as cefaléias e enxaquecas.  


Para a nutricionista funcional e naturopata Fabiana Porto, “existe uma série de recursos na natureza, e principalmente na alimentação saudável, que pode agregar valor no sentido de promover a redução da inflamação no corpo, melhorar a circulação sanguínea, ajustar os níveis da pressão arterial, regular níveis de colesterol, entre outros benefícios”.


Por isso, uma alimentação saudável e consciente deve ser tratada como prioridade na vida das pessoas. Aquelas que sofrem de dores de cabeça e enxaqueca, em especial, devem tomar conhecimento de como certas comidas atuam no organismo e como se relacionam com a cefaléia, a fim de evitá-las ou inseri-las em sua rotina alimentar.


O cardápio certo

Segundo Fabiana Porto, os alimentos que promovem o relaxamento muscular são grandes aliados em se tratando de cefaléia. Isso porque a dor de cabeça tem muito a ver com a tensão muscular ou constrição das veias. Neste sentido, os alimentos ricos em magnésio são os mais indicados, pois contribuem para o relaxamento mental e muscular vinculado ao cérebro. São eles: sementes em geral (de girassol, gergelim, abóbora, linhaça e chia), castanhas, amêndoas, gengibre, quinoa, arroz integral, espinafre, banana prata, aveia e a vitamina B6.


Além disso, esses alimentos facilitam a transmissão dos impulsos nervosos, auxiliam no controle da pressão arterial e otimizam a regulação da contração muscular. “Sabe-se que a pressão arterial também é advinda da forma como o coração pulsa. Então a contração e o relaxamento, tanto do coração quanto de qualquer outro músculo do corpo, requer magnésio”, destaca a nutricionista.


Outras vezes a dor de cabeça pode ser causada por um problema de retorno venoso ou falta de oxigenação cerebral. Dessa forma, a promoção da circulação sanguínea saudável, a partir de determinadas comidas que têm esse poder, pode impactar em uma melhora da dor. Neste grupo, a especialista recomenda alimentos como o açafrão, as pimentas, o gengibre, a canela e a noz-moscada. Eles ainda possuem ação anti-inflamatória, importante no combate à cefaléia.


Os alimentos antioxidantes também devem fazer parte do cardápio anti-cefaléia, de acordo com Fabiana Porto. “O excesso de toxinas ou acúmulo de metabólitos tóxicos provenientes de medicamentos, exposição a químicos ou qualquer produto artificial que possa agredir o corpo está ligado a quadros de dores de cabeça. E as comidas ricas em antioxidantes, como as de cor vermelha, as frutas vermelhas ou temperos frescos ajudam a remover essas toxinas que se acumulam principalmente no fígado”, garante.


Por fim, do ponto de vista nutricional, cabe destacar que o corpo pode apresentar dor de cabeça por um jejum prolongado ou uma alimentação pobre em nutrientes. Então a questão da glicemia tem uma presença muito forte no quadro de cefaléia ou enxaqueca. E aí entram os alimentos ricos em fibras, que além de propiciarem o controle da glicemia por não permitirem que a glicose entre de uma vez no sangue, eles causam saciedade.


Outros alimentos para incluir no cardápio daqueles que sofrem de dores de cabeça são: chá de camomila, sal rosa do Himalaia e as comidas frescas em geral, como vegetais folhosos, tubérculos e frutas.


Hidrate-se!

Dentro desse cenário, a hidratação é fundamental.

“Uma boa hidratação ajuda bastante na prevenção da dor de cabeça. Pois muitas vezes ela surge de uma necessidade do organismo em lidar com as matérias que precisam ser eliminadas, como o excesso de sais, mas o indivíduo não tem água suficiente no corpo para eliminar isso na forma de urina. Então a hidratação permite que a circulação e a remoção das toxinas se mantenham ótimas, da mesma forma que a transformação celular aconteça em nível ótimo”, afirma Fabiana.

O que evitar!

A lista dos alimentos que devem ser evitados por pessoas que sofrem de cefaléia inclui os laticínios, como leite, iogurte, queijo, creme de leite e manteiga, bem como os produtos de origem animal. Esses dois grupos entram na lista pelo mesmo motivo: são alimentos com muita gordura.


A explicação é simples. “A gordura exige uma atenção maior do fígado, que muitas vezes já está sobrecarregado por inúmeros fatores, sejam eles estresse, uso de medicamentos prolongados, consumo de álcool ou colesterol alto. E a incapacidade de digerir a gordura pode causar dor de cabeça”, detalha Fabiana.

Neste cenário, podem ser incluídas as frituras feitas com qualquer tipo de gordura animal, uma vez que elas sobrecarregam um sistema que já pode estar vulnerável e exposto a muita carga de estresse.


Os açúcares simples e os doces são outros alimentos condenados. Eles são estimulantes cerebrais, quando a pessoa que passa por dores de cabeça precisa de um relaxante cerebral. Neste mesmo grupo, encontram-se ainda os produtos que contêm cafeína.


Por gerar toxinas no corpo e ser diurético, o álcool também deve ser evitado. Os produtos diuréticos reduzem os nutrientes corporais por conta da sua eliminação através da urina, e estimulam a saída de água do corpo.


Fechando a lista dos alimentos contra-indicados, a nutricionista e naturopata Fabiana Porto destaca o glúten, que produz uma série de efeitos no organismo. “Ele pode ser um grande fator de acúmulo tóxico, no sentido de estimular a inflamação dentro do sistema corporal. Além disso, é conhecido por ser um bloqueador da absorção de inúmeros nutrientes e super estimula os neurotransmissores”, explica.


Assim como os laticínios, as carnes vermelhas, o álcool e os açúcares anteriormente citados, o glúten é um alimento de fonte ácida. Os alimentos ácidos geram inflamação no corpo, e por isso não são indicados para quem sofre com as dores de cabeça.


Recomendações para uma vida mais saudável

Para manter uma vida saudável, é importante dar preferência aos alimentos orgânicos ou, no mínimo, reduzidos em agrotóxicos. Opte ainda pelos produtos frescos, pois quanto mais perto da colheita, mais rico em nutrientes eles são. “A gente sabe que o caminho para o alimento sair da colheita até chegar ao prato pode ser muito longo, e envolve transporte, mercado, etc. Então procure comprar de produtores locais”, defende a nutricionista.


Dê preferência aos produtos da safra, estimulando seu corpo a receber os nutrientes da estação e respeitando os ciclos da natureza. Por fim, tenha uma variedade alimentar, oferecendo ao corpo nutrientes diferentes.

Responsável técnica: Dra. Rebeca G. de Lacerda Vasconcelos CRM 18290 DF